Como tendências de alimentação consciente beneficiam a agricultura familiar?

terça-feira, 17 de julho de 2018. Postado por .

Conhecer a história do agricultor, entender sobre os processos produtivos e saber os impactos ambientais causados pela produção de cada alimento. Estes são alguns pontos que explicam como as tendências de alimentação  consciente podem beneficiar as empresas e instituições do setor rural. Alguns desses conceitos estão muito relacionados com os termos mindful eating e slow food. Quer aprender um pouco mais sobre? Acompanhe a leitura que explico melhor a relação disso tudo com a agricultura familiar.

Mindful eating e slow food: alimentação consciente em um mundo globalizado

Você, por acaso, já ouviu falar no termo mindful eating? Bom, essa ideia surgiu com base com conceito mindfulness, que quer dizer algo como “atenção plena”. Ele está ligado a práticas meditativas de autorregulação que buscam cultivar presença e atenção a tudo que já faz parte da sua rotina, sem ficar refletindo sobre acontecimentos passados e futuros. A prática surgiu em contraposição a um modelo de vida ansioso e caótico – cada vez mais comum na sociedade atual.

Então, seguindo nessa linha, o termo mindful eating compreende um conjunto de técnicas meditativas para uma alimentação consciente. Isso quer dizer que cada processo, desde a produção até o momento da alimentação, é importante para contribuir com um modo de vida mais presente e saudável. Essas definições têm relação com práticas como a yoga. No entanto, vêm se difundindo através de hábitos que buscam consciência e sustentabilidade, sem, necessariamente, estarem ligadas à meditação.

Mindful eating não entende a alimentação apenas como uma necessidade vital, mas como um processo de cura e respeito com o próprio corpo – e é nesse ponto que o setor rural pode se utilizar dos seus processos para valorizar seus produtos. O cuidado na escolha de cada insumo utilizado na produção, ações realmente sustentáveis organizadas pelo empreendimento e pelos agricultores para reduzir os impactos ambientais e iniciativas de bem-estar animal são alguns exemplos do que o consumidor quer saber.

Slow food, que também integra essas tendências, é outra forma de o consumidor se relacionar com os alimentos e que pode beneficiar os empreendimentos, como agroindústrias, cooperativas e entidades. Literalmente, o termo significa “comida devagar” e preza pelo uso de ingredientes naturais e artesanais. Esta ideia foi criada com o propósito de se contrapor ao fast food, que é um modelo de alimentação rápida e de consumo de industrializados.

E onde a comunicação entra nisso?

O mindful eating e o slow food abrem caminho para inovações das empresas do setor rural através da comunicação. Com consumidores cada vez mais atentos a cada processo de produção, é necessário investir em comunicação e explicar cada processo. Assim, você fideliza o público por ele entender que, além de produzir e fazer a cadeia da alimentação girar, você preza pela qualidade dos seus produtos – e comunica isso.

Hoje um produto se torna muito mais significativo no mercado se o consumidor sabe de onde ele vem, o que ele contém e quem o produz. Se, por exemplo, sua empresa for familiar e obedecer receitas que passaram de geração para geração, isso pode ser muito bem aproveitado para propagandear os seus serviços.

Contudo, você deve estar se perguntando: de que maneira posso comunicar isso tudo? Existem muitas ações que você pode desenvolver, como produção de folders explicativos sobre os produtos e processos, materiais com fotos e vídeos de boa qualidade, marketing de conteúdo, contar sua história relacionada à empresa, gerenciamento de redes sociais… Tudo isso pode fortalecer seu posicionamento e lembrança de marca de modo assertivo, aproveitando essas tendências de alimentação e mostrando como a sua empresa acompanha elas.

Caso sua cooperativa, agroindústria, rota de turismo rural, entidade ou instituição queira se posicionar melhor no mercado e desenvolver materiais de comunicação que conversem com sua essência, entre em contato com a Cultivo pelo e-mail contato@agenciacultivo.com.br ou pelas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Como organizar uma assembleia online: 8 dicas práticas para cooperativas!

Organizar e garantir a transmissão de uma assembleia online não é tarefa fácil, ainda mais quando é direcionada para públicos que não são nativos digitais, como agricultores e agricultoras familiares. Compartilhamos algumas dicas para te ajudar neste post e minimizar ruídos de comunicação!

Como cooperativas podem usar o espírito cooperativo na comunicação e no marketing

Baseadas na gestão democrática, na ajuda mútua, na solidariedade e na equidade, as cooperativas podem se beneficiar dessas características na comunicação e no marketing, sobretudo quando são do setor agropecuário. Como? Damos algumas dicas neste post.

Por que as feiras são importantes para a agricultura familiar?

As feiras são espaços muito importantes de divulgação e de contato para a agricultura familiar. Neste post, explicamos melhor o porquê elas são fundamentais, focando nas oportunidades que elas potencializam, bem como no público que costuma frequentá-las.