A cara da Expointer

A maior feira agropecuária da América Latina carrega muitas facetas. São diversas pessoas que fazem com que a Expointer, realizada anualmente em Esteio – RS, seja o que é. A Cara da Expointer é um projeto da Cultivo, realizado em 2018, que contou a história de 15 feirantes, entre agricultores familiares, auxiliares de serviços gerais e pecuaristas, que tornam essa feira única e mostram a complexidade do setor rural brasileiro.

View this post on Instagram

A CARA DA EXPOINTER #2 ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Fernanda Souza Paiva tem 21 anos e é produtora de café na cidade de Poço Fundo, no sul de Minas Gerais. Ela tem orgulho da profissão e afirma que é preciso quebrar barreiras e estereótipos para que, como mulher e jovem, seja respeitada no campo. “Muitos ainda têm a imagem de que o agricultor é aquela pessoa com mãos calejadas, que usa botina e está sempre sujo. Mas não é mais assim”, afirma. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Ela é integrante da Cooperativa dos Agricultores Familiares de Poço Fundo e Região (@coopfamcoffee), um dos dez expositores mineiros que estão presentes na Expointer em 2018. A experiência é proporcionada por uma parceria entre a Federação dos Trabalhadores Rurais de Minas Gerais (FETAEMG) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (FETAG), que já traz, pelo segundo ano consecutivo, agricultores mineiros para o estado gaúcho. O oposto também acontece: gaúchos vão expor na Agriminas há sete anos. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Fernanda ressalta que, graças ao trabalho desenvolvido pela Coopfam, os jovens da cidade de Poço Fundo tem orgulho de trabalharem no campo. Com incentivos financeiros e reconhecimento social, a cafeicultura é um negócio atrativo que garante a sucessão rural no município de 16 mil habitantes. ㅤㅤㅤㅤㅤ A Coopfam tem 450 associados, sendo que 130 são produtores de café orgânico. A entidade comercializa, inclusive, uma linha feminina, cujos grãos são cultivados apenas por mulheres. ㅤㅤㅤㅤㅤ #Expointer2018 #Coopfam #Cafeicultura #Café #MulheresNoAgro #Cooperativismo #SetorRural #Campo #MinasGerais #SulDeMinas #Expointer #Agronegócio #AgriculturaFamiliar #Mulher #Agronegócio #ACaraDaExpointer #Perfis #Jornalismo

A post shared by Cultivo – Comunicação Rural (@agenciacultivo) on

View this post on Instagram

A CARA DA EXPOINTER #9 ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Andar ao lado de Cézar Augusto Freire na Expointer é um desafio. A todo momento, ele é interrompido por algum admirador para tirar fotos ou precisa responder aos “parabéns, Guto!” que as pessoas o dirigem. Também pudera: Guto Freire, como é conhecido, foi eleito seis vezes o melhor ginete do Freio de Ouro e, na edição deste ano, conquistou um feito inédito na história do evento que celebra o cavalo crioulo. Pela primeira vez, um animal da categoria macho foi bicampeão. Guto foi quem o montou e insistiu para que o JA Libertador fosse competir novamente. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ O ginete, formado em Medicina Veterinária, gosta de frisar que virou este campeão por meio do constante treino e aprimoramento de suas técnicas. No primeiro ano da faculdade, leu um livro e ficou marcado pela seguinte frase: “Na arte equestre, tudo o que se sabe nada é, comparado ao que se resta aprender”. Levou o ensinamento à risca, aprimorou-se, insistiu e, hoje, aos 37 anos de idade, também é reconhecido por seu Centro de Treinamento, localizado em Santo Antônio da Patrulha, que tem capacidade para receber 34 cavalos. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ A paixão pelo animal começou na infância. “Eu acho que não tem quem não conheça um cavalo, o ser que ele é, e não se apaixone”, conta. O primeiro Freio de Ouro que assistiu foi em 1994, aos 13 anos. 17 anos depois, em 2011, sagrou-se campeão pela primeira vez. Já no primeiro evento que assistiu colocou como meta: “Quero estar ali um dia”. Aos poucos, foi galgando seu espaço. “É fácil sair da pista reclamando dos jurados, do cavalo, do público e não ver o que tu podes melhorar”, diz. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Foi ele quem insistiu para que o JA Libertador fosse competir novamente, depois de já ter conquistado o primeiro lugar em 2015. “O Libertador é completo. Tem morfologia, andadura, habilidade, força, doma, não tinha porque ele não ir de novo”, afirma. Com 6 anos de idade, o dócil equino cravou, junto com Guto, um lugar especial na história do Freio de Ouro. “Todos os freios foram especiais, mas esse foi ainda mais”, conclui. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ #Expointer2018 #CavaloCrioulo #FreioDeOuro #GutoFreire #Cavalo #Pecuária #Expointer #Competição

A post shared by Cultivo – Comunicação Rural (@agenciacultivo) on

View this post on Instagram

A CARA DA EXPOINTER #12 ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Assar churrasco também é coisa de mulher. Clarice Chwartzmann (@claricech), de 53 anos, mostra isso. Ela largou a carreira de publicitária, aos 50 anos, para tornar-se A Churrasqueira e, desde então, inspira outras mulheres a saírem do espaço de espectadoras no preparo da carne, para se tornarem protagonistas da churrasqueira. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Na 41ª Expointer, ela está à frente do Espaço La Victoria – aventurando-se pela primeira vez no comando de uma cozinha de restaurante. Dividir seu conhecimento no maior evento de agropecuária da América Latina é uma experiência fundamental. “Quando se fala de carne, é preciso ter respeito com toda a cadeia produtiva, preparar algo que seja perfeito”, afirma. Clarice defende que se reunir em torno do fogo é um ritual que envolve congregação, partilha e interação. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ A comida também evoca memórias afetivas e necessita de um preparo cuidadoso já no início do processo. Por isso, nos cursos que ministra, ela ensina desde a escolha da carne até o preparo final. Seu objetivo sempre foi simplificar, desmistificar e empoderar mulheres. Quatro anos depois do início da aventura de largar um estilo de vida em busca de outro, com mais verdade e significado pessoal, avalia que cumpriu um papel importante para dar independência ao público feminino, além de valorizar o preparo de uma boa carne. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ #Expointer2018 #Expointer #ClariceChwartzmann #AChurrasqueira #Carne #Churrasco #CarneGourmet

A post shared by Cultivo – Comunicação Rural (@agenciacultivo) on

View this post on Instagram

A CARA DA EXPOINTER #13 ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ A educação também brilha na Expointer, que dedica um espaço para as Escolas Rurais se apresentarem no Pavilhão da Agricultura Familiar. Tainá Barboza Padilha, de 19 anos, estuda na Escola Família Agrícola da Região Sul (Efasul), em Canguçu, na região sul do RS. Em sua primeira Expointer, a menina representa a escola por dois dias, comercializando sementes crioulas e insumos agroecológicos. Ela aprende a confeccioná-los e utilizá-los nas aulas, que combinam teoria e prática. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Bastante sorridente, Tainá descreve o que representa, para ela, estudar em uma escola rural: “Significa não perder as raízes do campo”. Ela pretende seguir estudando algo relacionado à agricultura, mesmo após sua formatura na Efasul, que será no final do ano que vem. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Ela vive no Assentamento Arroio das Pedras, junto com os pais e dois irmãos, onde também moram mais 49 famílias. Lá, planta alimentos como feijão, arroz e batata-doce de forma agroecológica. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ As Escolas Famílias Agrícolas (EFAs) utilizam a Pedagogia da Alternância, que é um modelo que combina o aprendizado na escola com a prática do jovem na propriedade da família. O Rio Grande do Sul possui quatro EFAs, localizadas em Santa Cruz do Sul, Caxias do Sul, Vale do Sol e Canguçu. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ #Expointer2018 #Expointer #EscolasRurais #Efasul #Agroecologia #AgriculturaFamiliar #Escola #Educação #Assentamento #Rural #MeioRural #Canguçu

A post shared by Cultivo – Comunicação Rural (@agenciacultivo) on

View this post on Instagram

A CARA DA EXPOINTER #15 ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Ivone Schroeder é dona da Agropecuária Doce Vida, que se sagrou grande campeã na 41ª Expointer na categoria macho Wagyu, carne mais valorizada do mundo. Natural de Alegrete, onde a propriedade de 1.500 hectares é localizada, ela mora atualmente na Suíça com o marido. Divide-se num vai e vem constante para gerenciar a fazenda, que tem 565 animais, sobretudo bovinos da raça Wagyu e ovinos Ile de France. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Ivone foi criada no meio rural, pois seus pais tinham uma propriedade familiar. Iniciou a Doce Vida há sete anos e conta que, no início, houve desconfiança por ser mulher ocupando um espaço tradicionalmente reservado ao público masculino. “Existe dificuldade de aceitação, mas hoje eu me sinto confortável nessa posição”, revela. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Ela conheceu a carne Wagyu em 2010, em uma viagem ao Japão. Interessou-se e decidiu investir nisso em sua propriedade, que iniciou com a criação de Angus. O quilo da carne Wagyu, chamado de Kobe Beef, é considerado o mais caro do mundo, custando até R$ 1.000. O que a diferencia é a capacidade de acumular gordura entremeada, o que é o marmoreio, deixando-a macia e com sabor inigualável. A Doce Vida também possui uma boutique de carne em Alegrete (@docevidasteakhouse), na qual comercializa os cortes da propriedade. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ A pecuarista de 35 anos é formada em Design de Moda na Suíça e trouxe as raízes campeiras em seu trabalho final, no qual criou uma coleção que valorizava o pampa. O que mais a emociona em seu trabalho é ver a fazenda, os bezerros e os animais na propriedade. “Eu amo a época de parição”, afirma. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ Para tirar foto com o campeão da raça, ela se agachou ao lado do animal de 858 quilos e 3 anos de idade e fez carinho nele. “Ele gosta que mexam na orelha”, diz rindo, com fala doce. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤ #Expointer2018 #Expointer #ACaraDaExpointer #AgropecuáriaDoceVida #DoceVida #Wagyu #CarneWagyu #Campeão #Gado #Pecuária #Alegrete

A post shared by Cultivo – Comunicação Rural (@agenciacultivo) on